Ônibus 100% elétrico em BH

Seguindo os passos das grandes metrópoles, Belo Horizonte começou a testar a viabilidade de adicionar a sua frota ônibus elétricos.

As metas de redução de emissão de Gases do Efeito Estufa (GEE) estão cada vez mais difundidas, divulgadas e os esforços para alcançá-las se tornam mais presentes a cada dia. Recentemente ocorreu na Escócia a 26ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas, COP26, e nela as metas de sustentabilidade e as medidas que deverão ser tomadas nos próximos anos foram mais uma vez reforçadas. É notável que todos os países encarem de frente esse desafio e, para que isso aconteça, é necessário que todas as cidades se empenhem nesse pacto. Pensando em um contexto Brasil, é necessário que as grandes metrópoles se comprometam para que essa revolução aconteça, caso contrário será muito difícil que as metas sejam alcançadas.

Dentro desse contexto, algumas cidades do nosso país vem experimentando colocar novas tecnologias sustentáveis no seu dia a dia e hoje nosso exemplo será Belo Horizonte. Na última sexta feira, 12 de novembro, começou a rodar nas ruas de BH ônibus 100% elétricos com o objetivo de entender a viabilidade da troca de matriz energética desse meio de transporte. Para que o projeto fosse viável foi necessária parceria de importantes órgãos da capital mineira: Cemig SIM, BYD, BHTrans, Secretaria Municipal do Meio Ambiente, ICLEI/TAP, WRI Brasil e Viação Torres.

"Para que Belo Horizonte possa cumprir os compromissos assumidos nacional e internacionalmente na redução de emissões de gases de efeito estufa, deve-se considerar uma frota de veículos coletivos que utilize energia limpa e renovável. A Secretaria de Meio Ambiente realizará o monitoramento das emissões e poluição, comparando o desempenho de um veículo movido a energia elétrica a um alimentado pelo tipo de combustível do tipo fóssil que se utiliza habitualmente na frota, o diesel" Mário Werneck, secretário municipal de Meio Ambiente. 

Esse teste é um importante passo para entender quais são os benefícios e os possíveis desafios que essa nova tecnologia pode enfrentar, como por exemplo a aceitação dos usuários. Vale ressaltar que entre os principais benefícios esperados estão a redução da emissão de ruídos e o uso de uma energia limpa e renovável, o que ajudará o cumprimento das metas nacionais de sustentabilidade.

O ônibus escolhido para passar por essa adaptação é um veículo da BYD, modelo K9A do tipo Padron, piso alto, suspensão pneumática e ar condicionado, carroceria Marcopolo Torino, comprimento 12,6 metros, com três portas, área reservada para cadeira de rodas, capacidade de 36 passageiros sentados e capacidade total média de 72 passageiros. A autonomia das baterias é em média de 210 Km. E a parte mais importante é que o usuário será ouvido por meio de uma pesquisa por meio de um formulário na web. Esse formulário é composto por 10 questões que levam, em média, 2 minutos para serem respondidas e levantam questões como a importância ambiental e a estrutura física do veículo. (Caso você tenha utilizado um desses e queira responder a pesquisa, basta clicar aqui).

Fonte: MG1

O período de testes irá durar 30 dias e ocorrerá um revezamento entre as seguintes linhas:

9250 – Caetano Furquim/Nova Cintra via Savassi (a partir do dia 12);

5503A – Goiânia A;

9105 – Nova Vista/Sion;

815 – Estação São Gabriel/Conjunto Paulo VI.

Ficando aproximadamente uma semana em cada uma delas.

Por acaso alguma dessas é a sua?
Conta para a gente lá no Instagram ou no LinkedIn.

Instagram

LinkedIn