Mulheres no Universo da Tecnologia

Grandes mulheres fizeram a diferença na história da tecnologia, mas como é o cenário hoje?

Percebe-se um forte movimento por busca de equidade de gênero entre as empresas que atuam em vários mercados atualmente. Esse fato também vem tendo um espaço expressivo no mundo da tecnologia, no qual os gerentes buscam cada vez mais diversidade entre os seus colaboradores. Pessoas diferentes trazem contextos diferentes o que permite a criação de soluções mais abrangentes e que atendam diversos públicos! Um relatório da McKinsey mostrou correlação entre empresas com mais diversidade e empresas que apresentam um desempenho de destaque, afirmando que uma maior diversidade impacta no surgimento de mais talentos, maior engajamento dos trabalhadores e uma retenção maior de funcionários.

Contudo, apesar das propostas novas que diversas empresas do setor tecnológico, ainda existe uma grande disparidade entre o número de mulheres e homens nessa área. Segundo o INEp, apesar do número de cursos ligados a essa área ter crescido 586% nos últimos 24 anos no Brasil, o número de mulheres caiu de 34,8 para apenas 15,5%. Além disso, o número de mulheres especialistas na área da computação caiu de 50% para 37%, segundo um estudo publicado pela USP. Quando analisado o contexto empresarial, percebe-se ainda mais essa diferença. Entre as companhias do S&P 100, o ranking com as maiores empresas do mundo compilado pela agência de risco Standard & Poor’s, 20% delas têm, pelo menos, uma diretora. No Vale do Silício, o mesmo acontece só com 10% das empresas.

Se o computador não tivesse reconhecido esse problema e se recuperado, não acredito que a Apollo 11 teria pousado na lua com sucesso. - Margaret Hamilton

Entretanto, nem sempre essa foi a realidade desse cenário, muito pelo contrário, as mulheres eram grande maioria nas áreas ligadas à computação. Muito associado ao trabalho de secretariado e processamento, os primeiros grandes avanços da computação tinham mulheres a frente dos projetos, como o caso do ENIAC. (Você sabia que o ENIAC foi o primeiro computador da história e ele era programado por uma equipe exclusivamente composta por mulheres?).  No entanto, essa realidade mudou drasticamente a partir dos anos 1984 quando, segundo especialistas, as empresas de brinquedos perceberam que suas vendas eram mais efetivas quando o marketing era direcionado a um grupo em específico. Nesse período, o surgimento do videogame revolucionou o setor e ao escolherem qual categoria assumiria o definiram como um brinquedo feito para meninos. Dessa maneira, iniciou-se uma mudança cultural na relação mulheres e computação, mudando desde a infância a relação entre esse gênero e esse setor de trabalho. Por exemplo, segundo o livro Unlocking the Clubhouse: Women in Computing da pesquisadora Jane Margolis, mais da metade das famílias americanas colocam os computadores domésticos no quarto do filho e não da filha. Diante desse contexto, as meninas começaram a não serem incentivadas a seguir essa área desde a infância. Isso tem reflexo até os dias de hoje já que no momento de escolherem suas carreiras, a baixa representatividade de figuras femininas não motiva meninas e mulheres a considerarem computação como uma área de atuação.

Atualmente, existe várias iniciativas que tem como o objetivo incentivar meninas a buscarem carreiras na área de tecnologia como: Girls Support Girl que é um grupo fundado na UFMG por alunas da área de computação e preza pelo compartilhamento de conhecimento, troca de experiências e apoio, PyLadies que é um grupo que oferece networking e suporte a mulheres na área para todos os níveis de conhecimento, Mind the Gap que é um programa da Google que visa colocar garotas no Ensino Médio e Fundamental em contato com mulheres na universidade na área de tecnologia.

Agora, para incentivar mais ainda meninas e mulheres a buscarem espaço na área da tecnologia, vamos apresentar grandes nomes femininos que revolucionaram o mundo com suas descobertas.

A Condessa de Lovalece foi responsável pela criação do primeiro algoritmo da história, em 1843!

Três mulheres negras que venceram diversas barreiras impostas por preconceitos para que astronautas como Neil Armstrong, Alan Shepard e Glenn fizessem suas viagens espaciais com segurança. Elas foram responsáveis pelos cálculos de equações matemáticas que definiram as órbitas espaciais. (DICA: O filme “Estrelas Além do Tempo” conta a história dessas três brilhantes mulheres")

Foi a diretora da Divisão de Software no Laboratório de Instrumentação do MIT, que desenvolveu o programa de voo usado no projeto Apollo 11, a primeira missão tripulada à Lua. O software criado por ela impediu que o pouso na Lua fosse abortado.

Liderou o desenvolvimento do algoritmo que possibilitou a captura da primeira imagem de um buraco negro que está a 500 quinquilhões de quilômetros de distância da Terra. Além disso, essa descoberta comprovou a Teoria da Relatividade proposta por Albert Einstein há mais de 100 anos atrás..

Encerramos o post de hoje com essas grandes mulheres do universo da computação!

Gostou do conteúdo de hoje?
Não esquece que segunda feira tem mais!!

Conhece nossas redes sociais?

Instagram

LinkedIn