Mulheres na Mineração

Atualmente o movimento "Lugar de mulher é onde ela quiser" vem tomando cada vez mais força dando voz para mulheres que trabalham em setores majoritariamente masculinos. Como será que é na mineração?

O mercado minerário ainda é marcado por uma grande desigualdade entre o número de mulheres e homens empregados no setor. Ao fazer uma análise é bastante perceptível que o quadro de funcionários da maioria das empresas, tanto das pequenas quanto das grandes, apresenta uma enorme disparidade entre os sexos, fato comprovado por números. Segundo o IBRAM, a participação de mulheres no setor mineral é de apenas 13%, sendo que nos demais mercados é de 44%.  Contudo, essa falta de equidade pode estar afetando diretamente o dia a dia desses empreendimentos, já que de acordo com a McKinsey, setores que não investem em diversidade de gênero perdem no quesito lucratividade quando a criação de valor.

Essa disparidade já é percebida no contexto acadêmico, no qual as turmas de cursos técnicos de graduação apresentam, na maioria das vezes, mais homens que mulheres. A turma de 2014 de Engenharia de Minas da UFMG é um exemplo disso, dos 30 alunos que ingressaram, apenas 11 eram mulheres sendo considerado um recorde na época. Por ser um setor muito associado a trabalhos em regiões afastadas das grandes cidades, existe uma forte conotação de que mulheres não se encaixariam nesse perfil: morar em locais sem grande estrutura – muitas vezes -, trabalhar em meio a máquinas pesadas, em locais insalubres, viajar muito e com dificuldades de comunicação. Além disso, a sociedade associa a mulher a figura materna que constituirá família e existe um pensamento geral que mulheres que escolhem trabalhar com mineração não conseguiriam assumir os dois papéis. Contudo, tais pensamentos são arcaicos, não condizem com a realidade em que vivemos e só colaboram para diminuir o interesse de meninas em seguir carreira na área de mineração.

 “Na minha trajetória sempre tive que provar um pouco mais. No mercado, a mulher nem sempre é reconhecida pelo potencial, mas pelo que faz. Esse é o grande desafio. Mas as coisas vêm mudando” -  Karina Rapucci, gerente executiva de Operações do Complexo Vargem Grande da Vale.

O ponto positivo é que as empresas vêm se atentando a esse fato e têm buscado alternativas para incentivar a equidade de gênero dentro delas, alguns deles são:

Mineração por Elas: A Vale lançou uma web série voltada para o aumento de mulheres no mercado mineral, apresentando o dia a dia de mulheres que atuam na empresa. O intuito é mostrar que existe espaço para mulheres em todas as áreas, sejam elas técnicas, operacionais ou gestão. Com essa iniciativa a empresa pretende dobrar a representatividade feminina e tornar o espaço um lugar no qual elas se sintam representadas.

Women in Mining Brasil (WIMBrasil): é uma ferramenta estratégica para as empresas, fornecedores e organizações atuantes no setor. Seu principal objetivo é implementar práticas para aumentar a participação das mulheres em ações e criar ambiente inclusivo.

Women in Mining do Reino Unido: promoveu a edição 2020 das 100 Mulheres Inspiradoras Globais na Mineração. As profissionais destacadas nesta edição foram selecionadas devido à sua contribuição inspiradora para uma mineração mais forte, sustentável e segura.

Por fim, para inspirar novas meninas e mulheres a participarem do mercado da mineração, trouxemos três inspirações de mulheres que fizeram e fazem a diferença nesse setor

Emily Hahn

Graças a Emily as mulheres tiveram espaço na mineração. Inicialmente ela estudava artes na “University of Wisconsin Madison” e ouviu de um professor que “a mente feminina é incapaz de lidar com princípios da mecânica, da alta matemática ou qualquer fundamento do ensino de mineração”. Então ela decidiu mudar de curso e se tornou a primeira mulher a ingressar em um curso de Engenharia de Minas, se formar e atuar na área em mais de um país.

Tracy Xie

Atualmente é a presidente da Vale na China e já possui 16 anos na empresa. Ela passou por diversos cargos e hoje ocupa o cargo mais alto dentro na Vale na China.

“Não sou a primeira nem a única mulher em nossa empresa a ocupar uma posição de liderança. O que aprendi ao longo do tempo é que você precisa ter confiança no valor que gera. Promover pessoas com base em alto desempenho e meritocracia é essencial para alcançar o nível desejado de diversidade.”

Renata Costa Zingre

Hoje com 22 anos de Vale, ela ocupa o cargo de presidente do Conselho de Administração da Vale Internacional. Entrou na Vale como trainee em 1998, no Brasil, e afirma que dificilmente encontrava colegas do sexo feminino nas empresas, mas que vê que isso vem mudando nos últimos anos.

“Entre os principais desafios pela frente estão alcançar a igualdade total, não apenas em gênero, mas em termos de inclusão em geral, sem rótulos. Penso que empoderamento feminino nas empresas deve incluir uma discussão sobre o papel dos homens também (ou parceiros), especialmente quando filhos entram em cena. Quando os gestores incentivam um tratamento igualitário de responsabilidades, as possibilidades de inclusão efetiva se ampliam.”

Acompanhe nosso conteúdo por nossas redes sociais!

Instagram

LinkedIn