Acordo de Paris

Um pacto que visa frear os impactos negativos que nosso estilo de vida tem sobre o planeta Terra.

O mundo de maneira geral tem buscado um olhar mais atento e cuidadoso em relação às questões ambientais, principalmente quando se trata de emissões de gases do efeito estufa. Os grandes líderes perceberam que se não forem tomadas medidas para frear esse impacto ambiental, em breve será complicado reverter seus graves efeitos que já tem sido sentidos na pele, como as grandes queimadas no hemisfério norte, as grandes ondas de frio no hemisfério sul e tantas outras mudanças climáticas. Dessa maneira, diversos grandes países começaram a mudar sua postura acerca desse fato e firmaram um pacto que ficou conhecido como Acordo de Paris.

O acordo de Paris foi firmado na Conferência das Nações Unidas sobre as mudanças climáticas, em 12 de dezembro de 2015, e nele 195 países e a União Europeia se comprometeram deter o aumento da temperatura do planeta abaixo dos 2ºC e ajudar economicamente os países mais vulneráveis ao aquecimento global. O objetivo é que esse novo acordo passe a substituir o Protocolo de Kyoto após a ratificação dos 55 países que são responsáveis por 55% das emissões de gases do efeito estufa, o que aconteceu em 2017.

Principais Objetivos

Objetivo principal: reduzir as emissões de gases de efeito estufa para limitar o aumento médio de temperatura global a 2ºC, quando comparado a níveis pré-industriais.

Demais objetivos

  • Esforços para limitar o aumento da temperatura à 1,5ºC

  • Promover a cooperação entra o setor privado, as instituições financeiras, a sociedade civil, as cidades e povos indígenas para ampliar e fortalecer ações que mitiguem o aquecimento global

  • Promover o desenvolvimento tecnológico e a transferência de tecnologia e capacitação para adaptação às mudanças climáticas

  • Estimular o suporte financeiro e tecnológico por parte dos países desenvolvidos para ampliar as ações para cumprir as metas dos países menos desenvolvidos;

  • Recomendações quanto à adaptação dos países signatários às mudanças climáticas, especialmente para os países menos desenvolvidos, de modo a reduzir a vulnerabilidade a eventos climáticos extremos;

O que os cientistas preveem casa o acordo não seja cumprido?

De acordo com um grupo de cientistas internacionais, se o acordo não começar a ter os esforços de todos os países, em 2500 não existirão mais condições climáticas para que a vida humana como é conhecida hoje sobreviva. O grupo publicou um artigo na edição mais recente do Global Change Biology, periódico que é especializado na divulgação de estudos focados em alterações ambientais

Eles basearam a pesquisa de seu artigo em 3 principais cenários: cenário no qual o acordo foi cumprido e as condições seguiram parecidas com as que vivemos hoje; os outros dois consideraram o não cumprimento do acordo o que levaria a um aumento de 5ºC na temperatura do planeta. Nesse modelo a maior parte da Amazônia, Península Arábica, Sudoeste da Ásia, África e norte a Austrália passarão metade do ano registrando temperaturas acima dos 38ºC, levando ecossistemas a ficarem estéreis.

Se isso de fato ocorrerá ainda não sabemos, mas o que podemos ter certeza é que se nenhuma atitude for tomada, o final não será feliz. É necessário cuidar do planeta hoje para que ainda exista um amanhã.

Gostou desse tipo de conteúdo?? Segue nossas redes!

Instagram

LinkedIn